Fios de sustentação

Os fios de sustentação facial são conhecidos como aliados no combate à “lei da gravidade”. É recomendado para homens e mulheres que possuem flacidez leve ou moderada no rosto. Com o passar da idade, a pele fica mais fina e pode perder a gordura em algumas regiões do rosto. Por isso, os fios também podem ser utilizados como alternativa pela perda de colágeno natural.

Ele pode atenuar rugas, suavizar sulcos faciais, tratar a flacidez do pescoço e levantar as sobrancelhas, sem modificar os traços de expressões. A técnica também pode reverter quadros de queda da projeção malar (“maçã do rosto”), perda do contorno da mandíbula (sulco lábio mentoniano ou ventríloquo), entre outros.

TÉCNICA DE SUSTENTAÇÃO

O fio é introduzido na pele com uma agulha até o tecido subcutâneo e então é direcionado neste tecido até o ponto inicial. Depois, é reintroduzida uma agulha no mesmo orifício de entrada e direcionada então pelo tecido subcutâneo até o lado contrário. O fio possui minúsculos cortes que lembram uma espinha de peixe e promovem uma leve tração quando exercemos uma força contrária a eles.

Semelhante à costura de uma roupa, os fios são ancorados na membrana que reveste o osso, costurados por dentro do músculo e, posteriormente, puxados de volta ao furo inicial.

São colocados em média quatro a oito fios na face, que variam de acordo com a flacidez de cada pessoa. Os fios são reabsorvidos pelo organismo em aproximadamente dois anos, tempo estipulado de duração, a depender muito do grau de flacidez.

O fio é biologicamente compatível e não costuma dar rejeição. O implante é feito ambulatorialmente com anestesia local, sem necessidade de internação.

A elevação do tecido flácido geralmente é notada em um prazo entre sessenta a noventa dias – período necessário para a acomodação dos fios nos tecidos.